Multidão protesta contra lei de aborto na Espanha

Olá pessoas queridas!

Não sei o que cada um pensa a respeito desse tema, mas eu particularmente me sinto muito mal só de pensar. Depois que virei mãe então.... ai meu Deus... é uma coisa que não consigo explicar.... só de pensar em alguém realizando um aborto.... me dá uma angústia, um aperto no peito, uma tristeza tão grande, uma dor que não dá para descrever.

Eu jamais teria coragem de realizar um aborto, independente da situação, independente se meu filho nascesse e fosse sobreviver por apenas meio segundo. Eu o teria em meus braços por apenas meio segundo!

O ventre da mulher deveria ser o lugar mais sagrado e seguro de todo o mundo... mas não é o que acontece em muitos lugares, em muitos casos.... para mim, uma lástima.

A criança não tem culpa de ter sido gerada por inconscequência de atos. Sou a favor da vida, sempre! Sou a favor da conscientização da população!

Sei que cada caso é um caso e que cada um pensa de um jeito diferente. Esse é um tema que gera muita polêmica sempre. Esse é o meu ponto de vista, mas sem sombra de dúvidas, respeito todas as opiniões divergentes da minha.
Bem, segue abaixo uma reportagem que saiu no jornal Folha de São Paulo do dia 08/03/2010.

Um grande beijo!

Às voltas com impopulares medidas anticrise, o presidente do governo da Espanha, José Luiz Rodrigues Zapatero, vem enfrentando oposição cada vez maior da população, cuja maioria sempre o apoiara.

No dia 07/03/2010, milhares de manifestantes tomaram as ruas de Madri, capital espanhola, protestar contra a lei aprovada recentemente pelo Parlamento que permite a realização de aborto por meninas a partir dos 16 anos, até a 14ª semana de gestação e pedir a renúncia do mandatário.  

As manifestações chamadas Marcha Pela Vida 2010 incluem passeatas em 70 cidades espanholas, bem como ações ao redor do mundo, em cidades como Buenos Aires, Lima, Monterrey, Cidade da Guatemala, La Paz, Paris e Bruxelas.

Os manifestantes, em Madri, incluíam homens, mulheres, idosos e jovens. Muitas famílias compareceram com crianças pequenas.

As famílias exigem a derrogação da Lei de Saúde Sexual e Reprodutiva e da Interrupção Voluntária da Gravidez, que entra em vigor em julho.

Além de manter o prazo para o aborto, a lei ainda permite que a gravidez seja interrompida até a 22ª semana se houver grave risco para a vida ou saúde da gestante, ou sérias anomalias no feto.

O novo texto (lei que facilita o aborto) aumenta ainda mais a reprovação popular de Zapareto. Em um ano, o percentual da população que classifica o governo do socialista como ruim cresceu de 26% para 35%, segundo o Centro de Investigações Sociais (CIS).

O texto diz que "a decisão de ter filhos e quando contitui um dos assuntos mais íntimos e pessoais (...). Os poderes públicos es~tao obrigados a não interferir nesse tipo de assunto(...)"

Reforma Social
Esta lei é uma das últimas medidas de reforma social aprovadas na Espanha, como o casamento gay, que vem causando mal-estar entre os setores conservadores e a Igreja Católica.

Os críticos da nova lei afirmam que o governo está promovendo os abortos em vez de apoiar a maternidade.

Mas a nova lei só está regulando o que ocorre atualmente no país, já que o aborto é permitido desde que a gestante comprove que há risco de vida para mãe ou para o bebê caso leve a gravidez adiante.

Em 2008, foram realizados mais de 115 mil abortos no país, a maioria com base nesta premissa e durante as primeiras 12 semanas de gestação.

A nova lei também prevê melhorias na educação sexual nas escolas e maior acesso aos métodos anticoncepcionais.

Um comentário:

Gisele disse...

Também sou totalmente contra o aborto! Mas tem muita gente que é à favor, viu? Já participei de algumas comunidades de debates na web, e descobri que quem é à favor tem milhões de argumentos... e geralmente são pessoas sem religião ou atéias (dá pra entender, pois não tem Deus no coração, então não tem Amor). Eu não consigo entender como podem ser à favor de um assassinato, e de um indefeso, ainda por cima!

Leia mais sobre: